Logomarca do Grupo TEIA - Territórios, Educação Integral e Cidadania

 


Postado em & arquivado em Notícias, Outros.

Por Fernanda Kalena

Cerca de dez anos atrás, o escultor peruano Carlos Pedreros vivia um conflito. Trabalhava fazendo esculturas de madeira, mas o entendimento de que árvores morriam para que seu trabalho fosse concretizado o incomodava. “Percebi que a mais bonita escultura de madeira não é tão bonita quanto a mais feia das árvores. Então pesquisei materiais para trabalhar que não prejudicassem o meio ambiente”, conta ao Porvir durante o Development and Climate Days, evento paralelo a Cop20 (Conferência Climática das Nações Unidas), realizado nos dias 6 e 7 de dezembro, em Lima, Peru.

Foi por causa deste sentimento que ele decidiu então se aprofundar em temas ambientais e de sustentabilidade e passou a realizar seu trabalho com papel reciclado. Durante esse processo, Pedreros passou alguns meses trabalhando em escolas de comunidades da floresta amazônica peruana, onde teve a oportunidade de entender a importância desse ambiente para seus moradores e a relação dos jovens com aquela terra.

Coletivo Peruado Cartilha Sustentabilidade No Peru, arte é usada para conscientização ambiental

 

Essas escolas possuem salas de aula multisseriadas e uma única professora para trabalhar com estudantes de quatro a 16 anos. O escultor servia como auxiliar dessa professora e introduzia a arte aos alunos, ensinando-os técnicas de desenho.

“Os mais jovens não sabiam e não queriam desenhar. Eles queriam usar a câmera fotográfica que eu tinha comigo. Os ensinei a usá-la e no fim do projeto tínhamos desenhos bons, fotos ótimas e eles me deram uma aula sobre animais e plantas que eles retrataram que eu nunca tinha visto antes”, relembra o artista. Ele também conta que a professora da turma, em um primeiro momento, ficou incomodada com a atividade, pois as aulas não estavam seguindo o planejamento. E foi a reação dela que o levou a entender melhor o que queria fazer: aproximar as questões ambientais da educação, e não só de estudantes, mas de qualquer pessoa.

Escola de soluções

O sonho de Pedreros virou realidade este ano, quando se aproximou de outros artistas locais através do coletivo Escuela de Soluciones al Paso (algo como escola de soluções a caminho, em livre tradução). Juntos, eles desenvolvem manuais interdisciplinares que buscam desenvolver novas metodologias de aprendizado centradas na relação do cidadão com seu entorno.

O mais recente é o chamado Caderno Ecológico que, além de abordar temas como consumo consciente e reciclagem, ensina como fazer e cultivar uma horta em caixas de madeira – que normalmente são jogadas fora – em casa, na escola e até mesmo em jardins comunitários. Seu propósito é vincular atividades artísticas a processos de formação. “Além de ensinar a micro agricultura, mostrar para as pessoas que eles podem cultivar sua própria comida muda os valores e a relação com o meio”, afirma o artista que completa: “Ao compartilhar essas técnicas e ideias, encorajamos as pessoas a pensar em termos ecológicos e ampliamos a consciência sobre as questões ambientais”.

Essas cartilhas estão disponíveis na página do coletivo no Facebook e são gratuitas para quem quiser utilizá-las, mas o interesse de educadores pelo material tem chamado a atenção. “A maioria dos que estão fazendo uso disso são professores. Eles querem conhecer novas estratégias de como levar esse debate para suas salas de aula. Isso nos incentiva a continuar produzindo materiais, para que mais pessoas tenham contato e se envolvam com a causa”, explica Pedreros.

Escultura coletiva

Carlos Pedreros também foi um dos responsáveis pela execução de uma performance experimental, idealizada pelo artista Tomas Saraceno, que consistia em juntar sacolas plásticas para fazer uma espécie de balão, com seis metros de altura por cinco de largura – ela foi construída com a ajuda de estudantes peruanos e voluntários da Cruz Vermelha.

Chamada de Intiñan, significa caminho do sol no dialeto indígena Quechua e teve como objetivo trazer para o debate o uso do plástico e o que pode ser feito para reaproveitar esse material, já que naturalmente sua decomposição demora mais de cem anos.

Coletivo Peruado Cartilha Sustentabilidade interna No Peru, arte é usada para conscientização ambiental

 

O Development and Climate Days teve como objetivo organizar uma agenda comum entre diferentes nações e organizações para erradicar em conjunto tanto as emissões de gases de efeito estufa quanto a pobreza e foi realizado em conjunto pelo Red Crescent Climate Centre da Cruz Vermelha, pelo International Institute for Environment and Development, pelo Overseas Development Institute e também pelo Climate and Development Knowledge Network.

* A jornalista viajou ao Peru por convite do Overseas Development Institute.

** Publicado originalmente no site Porvir.

Disponível em http://envolverde.com.br/educacao/no-peru-arte-e-usada-para-conscientizacao-ambiental/

Postado em 10/12/2014